O que é dor e como você a trata?

Tempo de leitura: 12 minutos

O que é dor e como você a trata?

O que é dor e como você a trata?
O que é dor e como você a trata?

O que é dor como você a trata?

A dor é uma sensação desagradável e uma experiência emocional ligada ao dano tecidual. Sua finalidade é permitir que o corpo reaja e evite maiores danos aos tecidos. Sentimos dor quando um sinal é enviado através das fibras nervosas para o cérebro para interpretação.

A experiência da dor é diferente para todos, e existem diferentes maneiras de sentir e descrever a dor. Isso pode dificultar a definição e tratamento.

A dor pode ser a curto ou longo prazo, pode permanecer em um lugar ou pode se espalhar pelo corpo.

Fatos rápidos sobre dor

A dor resulta de danos nos tecidos. É uma parte do mecanismo de defesa do corpo.
A dor resulta de danos nos tecidos. É uma parte do mecanismo de defesa do corpo. Ele nos adverte para tomar medidas para evitar maiores danos nos tecidos.

Aqui estão alguns pontos importantes sobre a dor. A dor resulta de danos nos tecidos. É uma parte do mecanismo de defesa do corpo. Ele nos adverte para tomar medidas para evitar mais danos nos tecidos.
As pessoas experimentam e descrevem a dor de maneira diferente, e isso dificulta o diagnóstico.
Uma variedade de medicamentos e outros tratamentos podem ajudar a aliviar a dor, dependendo da causa.

Causas da dor crônica aguda

A dor pode ser crônica ou aguda e assumir uma variedade de formas e severidades.

A dor é sentida quando nervos especiais que detectam danos nos tecidos enviam sinais para transmitir informações sobre os danos ao longo da medula espinhal ao cérebro. Esses nervos são conhecidos como nociceptores.

O cérebro então decide o que fazer com a dor. Por exemplo, se você tocar em uma superfície quente, uma mensagem viajará através de um arco reflexo na medula espinhal e causará uma contração imediata dos músculos. Essa contração vai tirar sua mão da superfície quente.

Isso acontece tão rápido que a mensagem nem chega ao cérebro. No entanto, a mensagem da dor continuará no cérebro. Uma vez lá, causará uma sensação desagradável de dor.

Como o cérebro de um indivíduo interpreta esses sinais e a eficiência do canal de comunicação entre os nociceptores e o cérebro dita como as pessoas sentem dor.


O cérebro também pode liberar substâncias químicas boas para o bem, como a dopamina, para combater os efeitos desagradáveis.

Tipos de dores

Escala de dor
Escala de dor

Dor aguda:

A dor aguda geralmente é intensa e de curta duração. É o modo do corpo de alertar uma pessoa para uma lesão ou dano localizado no tecido. Tratar a lesão subjacente normalmente resolve esse tipo de dor.

O mecanismo de “luta ou fuga” do corpo é desencadeado por dor aguda, muitas vezes resultando em batimentos cardíacos mais rápidos e taxas de respiração.

Existem diferentes tipos de dor aguda:

A dor somática é uma dor superficial que é sentida na pele ou nos tecidos moles logo abaixo da pele.
A dor visceral origina-se nos órgãos internos e nos revestimentos das cavidades do corpo.
A dor referida é sentida em um local diferente da fonte de dano tecidual, como a dor no ombro durante um ataque cardíaco.

Dor crônica:

A dor crônica dura muito mais que a dor aguda. Muitas vezes não pode ser resolvido. Pode ser leve ou grave, pode ser contínua, como na artrite, ou pode ser intermitente, como nas enxaquecas. A dor intermitente ocorre em repetidas ocasiões, mas pára no meio.

As reações de “luta ou fuga” acabam parando em casos de dor crônica, pois o sistema nervoso simpático que desencadeia essas reações se adapta ao estímulo da dor.

Se houver casos suficientes de dor aguda, eles podem criar um acúmulo de sinais elétricos no sistema nervoso central (SNC) que podem superestimular as fibras nervosas.

Isso é conhecido como “windup“, um termo que compara o acúmulo desses sinais elétricos a um brinquedo de corda. Enrolar um brinquedo com mais intensidade leva o brinquedo a correr mais rápido por mais tempo. A dor crônica funciona da mesma maneira. É por isso que a dor pode ser sentida muito depois do evento causador da dor.

Descrevendo dor

A dor cronica causa um aumento na atividade em áreas pré-frontais do cérebro.
A dor cronica causa um aumento na atividade em áreas pré-frontais do cérebro.

Existem outras formas mais especializadas de descrever a dor. Esses incluem:

Dor neuropática: Isso segue a lesão dos nervos periféricos que conectam o cérebro e a medula espinhal ao resto do corpo. Pode assumir a forma de choque elétrico, dor, sensibilidade, dormência, formigamento e desconforto.

Dor fantasma: ocorre após a amputação de um membro e refere-se a sensações dolorosas dadas pelo membro ausente. Afeta cerca de 70% dos amputados.

Dor central: é frequentemente causada por infarto, abscesso, tumores, degeneração ou hemorragia no cérebro e na medula espinhal. A dor central está em curso e pode variar de leve a extremamente dolorosa. Os pacientes relatam sensação de ardor, dor e pressão.

Saber descrever a dor pode ajudar a pessoa a obter um diagnóstico mais específico

O diagnóstico depende da descrição subjetiva do indivíduo da dor. Não há escala objetiva para identificar o tipo de dor, então o médico vai ter um histórico de dor.

Diagnóstico de dor

Diagnosticar a origem de uma dor pode muitas vezes depender das próprias descrições do paciente.
Diagnostico da dor, é feito pelo paciente ao médico ou profissional.

Diagnosticar a origem de uma dor pode muitas vezes depender das próprias descrições do paciente.

Existem escalas para ajudar a identificar uma causa subjacente provável.
o caráter de todas as dores sentidas pelo paciente, como ardência, ardor ou esfaqueamento o local, a qualidade e a radiação da dor, ou onde a dor é sentida, como é, e até que ponto ela se espalha, que fatores agravam, e que fatores aliviam a dor,  a dor ocorre ao longo do dia, ou a noite, e o impacto na função diária e humor da pessoa, a compreensão da pessoa de sua dor.

Vários sistemas podem identificar e classificar a dor, mas o fator mais importante para obter um diagnóstico preciso é que o paciente e o médico se comuniquem o mais claramente possível.

Medição de dor

Medição de dor
Medição de dor

Algumas das medidas de dor utilizadas são:

Escalas de avaliação numérica: medem a dor em uma escala de 0 a 10, onde 0 significa ausência de dor e 10 significa a pior dor imaginável. É útil para medir os níveis de dor em mudança em resposta ao tratamento ou a uma condição de deterioração.

Escala do descritor verbal: pode ser usada para medir crianças com deficiências cognitivas, idosos ou pessoas com autismo ou dislexia. Em vez de números, diferentes perguntas descritivas são feitas para diminuir o tipo de dor que o paciente está sentindo.

Faces escala: Uma série de rostos é mostrada para a pessoa com dor, variando de angustiada a feliz. Isso é usado principalmente com crianças e também mostrou respostas eficazes em pessoas com autismo.
Inventário de dor breve: Este é um questionário escrito mais detalhado que avalia o efeito da dor no humor, atividade, padrões de sono e como a dor pode ter afetado as relações interpessoais do paciente. Também mapeia a linha do tempo da dor para detectar quaisquer padrões.

Outros indicadores de dor: Quando pessoas com deficiências cognitivas não podem descrever com precisão a sua dor, pode haver indicadores claros quanto à presença de dor.

Esses incluem:

  • inquietação
  • chorando
  • gemendo
  • fazendo careta
  • resistência ao cuidado
  • interações sociais reduzidas
  • aumento da errância
  • não comendo
  • problemas para dormir

Se tratável, o médico tratará o problema subjacente causador da dor ou prescreverá tratamento para analgésicos, como medicamentos, para controlar a dor.

Tratamento e gerenciamento
Diferentes tipos de dor serão tratados de maneiras diferentes. Um tratamento eficaz contra um tipo de dor pode não aliviar o outro

Tratamento da dor aguda

Tratamento da dor aguda
Tratamento da dor aguda

Tratar dor aguda geralmente envolve tomar remédios.

Os anti-inflamatórios são um tipo de analgésico, ou analgésico, que pode reduzir a dor e ajudar a pessoa a recuperar a função diária. Eles estão disponíveis sem receita ou com receita médica em uma variedade de pontos fortes. Eles são adequados para pequenas dores agudas, como dores de cabeça, entorses leves e dores nas costas.

Eles podem aliviar a inflamação localizada e a dor devido ao inchaço. Eles podem ter efeitos colaterais no sistema digestivo, incluindo sangramento. Um médico irá monitorar doses mais elevadas.

Leia sempre a embalagem para descobrir o que contém em um analgésico antes de usar e para verificar a dosagem máxima. Nunca exceda a dose recomendada.

Opioides

Os opioides são prescritos para as dores agudas mais extremas, como após cirurgia, queimaduras, câncer e fraturas ósseas.
Os opioides são prescritos para as dores agudas mais extremas, como após cirurgia, queimaduras, câncer e fraturas ósseas.

Os opioides são prescritos para as dores agudas mais extremas, como após cirurgia, queimaduras, câncer e fraturas ósseas. Os opioides são altamente viciantes, causam sintomas de abstinência e perdem a eficácia ao longo do tempo. Eles precisam de receita médica.

Em situações de trauma grave e dor, o médico irá gerenciar e administrar a dose cuidadosamente, reduzindo gradualmente a dose para minimizar os sintomas de abstinência.

Discuta cuidadosamente todas as opções de medicação com um médico e divulgue as condições e os medicamentos atuais. DPOC, doença renal, problemas hepáticos, vícios de drogas prévios e demência podem ser seriamente afetados pelos opioides.

Muitas vezes, um médico pode identificar e tratar um distúrbio subjacente. Se uma infecção, por exemplo, estiver causando dor de garganta, os antibióticos removerão a infecção e a dor desaparecerá.

Terapias Alternativas para aliviar dores nas costas

Uma variedade de terapias não medicamentosas pode ajudar a aliviar a dor. Esses incluem:

Acupuntura: O uso de agulhas em determinados pontos de pressão pode fornecer um efeito analgésico.

Bloqueios de nervos: Estas injeções podem anestesiar um grupo de nervos que atuam como fonte de dor para um membro ou parte do corpo específica.

Psicoterapia: Isso pode ajudar com o lado emocional da dor em curso. A dor crônica pode frequentemente afetar o prazer das atividades cotidianas e pode levar a não conseguir trabalhar. Um psicoterapeuta pode ajudar a melhorar a compreensão e a implementar mudanças no estilo de vida para possibilitar essas partes da vida.
Estimulação dos nervos elétricos transcutâneos (TENS): A TENS visa estimular os sistemas opioides e de dor do cérebro para proporcionar alívio.

Cirurgia: Várias cirurgias de nervos, cérebro e coluna são possíveis para aliviar a dor crônica. Estes incluem rizotomia, descompressão e procedimentos de estimulação cerebral profunda e medula espinhal.

Biofeedback: Esta é uma técnica mente-corpo. Através do biofeedback, as pessoas podem aprender a controlar melhor seus órgãos e processos automáticos, como a frequência cardíaca, com seus pensamentos.

Terapias de relaxamento: abrange uma ampla variedade de técnicas e exercícios de relaxamento controlado, principalmente no campo da medicina alternativa e complementar. Isso pode incluir hipnose, ioga, meditação, massagem terapêutica, técnicas de distração e tai chi.

Manipulação física: um fisioterapeuta ou quiroprático pode, às vezes, ajudar a aliviar a dor, manipulando a tensão das costas de uma pessoa.

Calor e frio: Usar compressas quentes e frias pode ajudar. Estes podem ser alternados ou selecionados de acordo com o tipo de lesão ou dor. Alguns medicamentos têm um efeito de aquecimento quando aplicados topicamente na parte afetada.

Descanso: Se a dor for causada por uma lesão ou por uma ação repetitiva, o descanso pode ser a melhor opção.

Saiba mais sobre nesses artigos:

O que é dor e como você a trata?

Quais exercícios para aliviar dor nas costas

Dor nas costas do lado esquerdo

Como aliviar a dor nas costas?

 

Melhores Exercícios Para Dores Nas Costas

Conheça os melhores exercícios para aliviar as dores nas costas  – Introdução ao curso

Saiba tudo sobre o flexibildiade total, clique aqui para acessar o artigo.